28 de nov de 2014

Reinventando: Alice em volta para casa

 
Alice o olhava com expectativa, buscando na mente algo para falar e na garganta um pouco de voz, mas nada saia. O que saiu foi:
- Por quê?
 Maluco a olhava fixamente, procurando uma resposta adequada.
- Alice, se irmos rápido ainda podemos encontrá-lo na casa de sua avó, Lucia, você sabe que todos os  objetos que tem que passar pelos reinos para lá para serem liberados.
- E como vamos conseguir chegar tão rápido?
- Fico feliz que tenha perguntado. Gato, gato!
 Num segundo o Gato se projetou na frente deles, lhes perguntando o que precisavam então eles lhe deram um resumo da história e pediram ajuda.
- Subam e tentem se acomodar da melhor forma possível, talvez vocês fiquem tontos. Vamos passar por um rede...
- Não temos tempo para explicações, só vá!
- Tudo bem, você que pediu Alice, você que pediu...
 Assim que eles pousaram dentro do castelo Alice correu para um vaso de plantas e vomitou.
- Ai Deus, você ia explicar o que fazer para não ter enjôo, né?!
 O Gato assentiu rindo de Alice, mas logo desapareceu. Maluco olhou para ela e riu.
 Agora eles estavam na sala de visitas do castelo. O papel de parede dela era azul com flores em um tom rosa choque que Alice sempre apreciara, também haviam vários móveis feitos de madeira e com estofado com a mesma estampa da parede. Ao longo da sala várias cadeiras espalhadas numa ordem que só Lucia entenderia. Como que ensaiado Alice e Maluco se viraram e olharam para Lucia que brigava freneticamente com um guarda, o que pegaram da bronca foi:
- E se você fizer isso mais uma vez vai ser mandado embora, eu sei que você tem muito filhos, mas mereça o empregou!
 Os dois se entreolharam e quando viraram novamente o guarda já havia saído e Lucia estava em frente a eles com um humor tão improvável quanto magia no mundo real.
- Oi crianças, no que posso ajudar? – disse ela com um sorriso gigantesco no rosto.
- Tia por que a senhora gritou daquele jeito com ele?
- Ele havia negado um pedido de uma moça para ir ao hospital daqui, onde nós estamos? No palácio Branco. E o que fazemos no palácio Branco? Nós ajudamos as pessoas. E o que ele fez? Ele não ajudou a porcaria da moça! – havia uma veia pulsando na testa dela que estava assustando os dois. 
- Calma, sente aqui tia. Precisamos da sua ajuda. Por acaso alguém aqui veio e passou pelo portal do reino Negro um chapéu com uma fita vermelha?
- Sim, sim, ele saiu faz alguns minutos. Por quê?

- Droga, droga! O chapéu era o chapéu do Maluco. A Rainha Vermelha não quer que eu saia desse mundo, ela esta preparando algo ruim para seu trigésimo aniversario e eu não sei o que é, mas é ruim, eu tenho que sair daqui de qualquer forma e procurar minha família. Darei sorte se encontrá-los e eles se lembrarem de mim.

 Querem saber como termina essa história? Fiquem por dentro aqui do blog.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vai comentar? Ótimo. Mas temos algumas regras:
1- não fale palavrões, não ofenda ninguém
2- sempre deixe o link do seu blog para eu poder vê-lo
3- avise se estiver seguindo, talvez eu também goste do seu blog e siga
Obrigada por comentar!
E seja bem vindo ao Florescer